<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31896494\x26blogName\x3dO+Murm%C3%BArio+das+Ondas\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/\x26vt\x3d1252768961611837838', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, agosto 28, 2008

Do impressionismo das minhas saudades


Quando a minha cadela branca se cansa de correr entre as rosas vermelhas do jardim acaba a beber a água castanha dos vasos. Quando o verde das ervas se estende à minha frente mostrando que ali não há lugar ao cinzento do betão onde moras o meu corpo castanho queimado pelo sol amarelo arrepia-se com a falta que lhe faz o toque da palma branca da tua mão. E eu acabo por chorar uma lágrima transparente. Porque nunca descobri de que cor é a saudade.


(Imagem: "Soleil Levant", Monet)

segunda-feira, agosto 18, 2008

Sem tinta, com muito azeite e alguns coentros.


Trago o corpo trespassado de ondas. Sentado nesta varanda algures na Costa Azul o aroma dos chocos grelhados grita-me a urgência dos teus beijos, bezuntados de azeite e paixão. Em breve o soalho de madeira naquela casa caiada de branco e azul dos sonhos. Em breve uma cama e algumas palavras a jeito de declaração. Entretanto, a espuma já engoliu os castelos de ontem e Lisboa dispersar-me-á o sal da pele. Seguir-se-ão as malas e a partida. Primeiro a minha e depois a tua. Em breve a fúria do mar e a areia fustigada contra a minha carne, flagelando-me o pecado da solidão. Breves, a tua carne e o teu verbo. Afinal, tudo é breve, nesta varanda. Até o Verão e também eu, incapaz de me purgar da solidão.


(fotografia: Carlos Pereira)

sexta-feira, agosto 08, 2008

Carta de desamor


Caminhar e contabilizar. Equacionar. Estudar, conduzir e escrever. Arguir. Requerer, recorrer ou socorrer. Correr e mergulhar. E olhar-me. Percebes a vastidão dos verbos todos em que me tornaste, sem me deixares ser feliz na plenitude de um só? Estou cansado. E sozinho, esta noite, pergunto-me. Está na hora de me vires buscar.

Air - Bach