<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31896494\x26blogName\x3dO+Murm%C3%BArio+das+Ondas\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/\x26vt\x3d1252768961611837838', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, novembro 25, 2007

tardes de sal


Eram o frio, os vôos rasantes das gaivotas e os estrondos das ondas. Eram a areia que me feria o rosto catapultada por espasmos de vento e o velho cachecol que há muito desisti de te devolver. Era um passado que não volta, um futuro que me assusta e eu. A sós num presente de mar.


(Imagem: "Twilight waves", Ignat Ignatov)

quarta-feira, novembro 21, 2007

O desafio da Cleópatra


A página 165, 5ª linha:

"(...) dizia ele olhando em volta - Precisamos de retomar a marcha."


A 5ª frase:

"As nossas baixas não haviam ultrapassado a meia centena, enquanto o exército inimigo ficara reduzido a quase metade."


(João Aguiar, "A Voz dos Deuses")

terça-feira, novembro 13, 2007

Podem ser saudades...


Mais uma vez te levantas e sais de casa. Tão pequeno e com tantos sonhos dentro de ti. Os ventos de um Inverno que se aproxima teimam em lamber-te de saudades e o teu coração segura com todas as forças o aroma daquela pele beijada numa noite tão fria há cem invernos atrás. Sabes que a cal branca riscada a azul abandonou as casas e que as ondas teimam em não te agarrar com os seus dedos de espuma. Sabes que não mais amarás ao som dos sinos dos campanários perdidos na lezíria. Porque é errado amar quando eles dobram a finados.
(Imagem: "The Old Church Tower at Nuenen", Van Ghogh)

quinta-feira, novembro 08, 2007

fumo-me


É no fumo que se desvanece que se elevam os meus sonhos. Assim. Banais como a fumaça deste cigarro que agora deixo caído na Rua Castilho. Os meus pensamentos deposito-os num cinzeiro n' "A Brasileira". Venha alguém que os verta num caixote. Alguém que acaricie a beata contorcida, esmagada contra o mármore (sabes que me esmaga a ausência de quem nunca esteve?). Alguém que vagueie nos meus pensamentos de tabaco. Os pensamentos que me envolvem em fumos de uma prognose póstuma. A mim. Que nunca fumei.

Air - Bach