<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://draft.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31896494\x26blogName\x3dO+Murm%C3%BArio+das+Ondas\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/\x26vt\x3d1252768961611837838', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, dezembro 21, 2007

Chegará


Ardem-me no rosto as labaredas da lareira. Aquela em frente à qual as crianças se sentarão a desembrulhar presentes e a comer guloseimas. Onde costumavas deitar-te e encostar a cabeça no meu colo para que as minhas mãos substituissem o livro velho pela massa negra e suave dos teus cabelos. As crianças ainda não chegaram e tu já partiste. A lareira arde na mesma. Lá fora os homens continuam a ser demasiado corajosos para haver um cavalo que os derrube e as mulheres continuam a fustigar as oliveiras com vergastadas que as despem das azeitonas negras. Os carros continuam a partir para a cidade, de onde sempre regressam, e as serras continuam a sussurrar as histórias milenares dos que as atravessaram. Continua a haver uma Primavera a seguir a cada Inverno e um Verão antes de cada Outono. E eu continuo sentado à lareira, com as mãos prontas a largar o livro para as entregar aos teus cabelos. Porque ambos sabemos que o Natal chegará em breve.

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Se assim for...


Amas-me mesmo assim com tanta força? Se assim for... bem, se assim for sou o homem mais feliz do mundo. O que atravessa a cidade como quem voa sobre telhados, eléctricos e cabeças. O homem que crepita entre beijos, julgamentos e cafés ao entardecer. O homem que se consome em chamas de mil crepúsculos. Labaredas de sonhos e recordações fumegantes. O homem que arde e brilha até esmorecer. E adormecer, por fim, no entardecer de ti.


(fotografia: "Fim de dia na cidade", por Floriano Morgado)

Air - Bach