<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31896494\x26blogName\x3dO+Murm%C3%BArio+das+Ondas\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://luisgrodrigues.blogspot.com/\x26vt\x3d1252768961611837838', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, julho 15, 2010

O eterno devir



Sento-me à beira da cama. O dia fez-se noite e confesso que começo a ter alguma dificuldade em sobreviver com esta impossibilidade de me agarrar a algo que me dê certezas e que não mude. Apenas esta força inesperada é constante. A que me faz continuar mesmo quando me apercebo que o teu "se isso for importante para ti" se transforma num "nem penses: já dei para esse peditório". Quando a sofreguidão por um café de 5 minutos passa a ser o telefonema apressado antes de adormecer. Creio que é a dita força me faz pensar que está mesmo tudo bem. Mesmo quando a ânsia por uma vida em comum se dilui numa existência separada, com laivos de "estamos bem assim". Nós que há apenas uns meses atrás queríamos terminar este "assim" o quanto antes. É uma força engraçada, meio tonta. Esgota-se em si mesma, para me fazer sorrir ao som de Offenbach no meio de Lisboa, com tantas pessoas à minha volta. Tão longe de ti. É, talvez, a minha força quem abraça as lágrimas e pinta desilusões. E é ainda, seguramente, quem me segura a teu lado, no meio desta espiral de mudanças. Cansa-se tanto, ela. Para me fazer esquecer o tanto que poderíamos ser. E ocultar o pouco em que nos vamos tornando.


(imagem: "root strenght", Kristin Gjerdset)

4 murmúrios:

Anonymous Pé de Salsa murmurou...

Luís,

Mais uma história parecida com tantas outras, cada vez mais frequentes à nossa volta.

"Cansa-se tanto, ela. Para me fazer esquecer o tanto que poderíamos ser. E ocultar o pouco em que nos vamos tornando."

Gostei.

Um beijo

10:17 da tarde  
Blogger pinguim murmurou...

Se só houvesse certezas, a vida também não teria algum do encanto que tem.

6:40 da tarde  
Blogger air max nike murmurou...

Thank you very much for this article!
For a long time I have done exactly what you warn against. This article was a slap in the face - but a needed one.
That being said, what is the value of an intuitive explanation? Is it to give a lay person an "ah-ha" moment? Is it good to have SOME understanding, even if it is "vague and mush?"
nike air max
air max nike
cheap nike air max
air max 2009
air max shoes
air max 90

4:24 da manhã  
Blogger dong dong23 murmurou...

michael kors outlet
under armour outlet
salvatore ferragamo
ugg boots
coach outlet
ugg boots
ugg outlet
ugg slippers
superdry uk
doudoune moncler
20179.28wengdongdong

8:11 da manhã  

Enviar um comentário

:: INÍCIO :: O Murmúrio das Ondas ::


Air - Bach